A Feira

 

 

“A máquina? Tu num sabe?

Parou de funcionar em 84.

Era lenta e fazia barulho.

Tu só precisa é do chá

O chá de Dessintir.  

Na feira das frutas podres

Cruzando o beco dos enforcados

Onde as horas de desespero vão pra dormir.”

Eu sempre pensei que fosse uma metáfora, sabe? A “feira das frutas podres”, uma metáfora pra morte, não é evidente? Lembro de meu avô falando que um irmão ou tio tinha ido na feira e mesmo criança, eu assumi que ele tivesse morrido. Cruzei esse beco mil vezes e nunca tinha me dado esse frio na espinha, sempre soube o nome e a história, mas agora eu consigo sentir…

Consigo sentir daqui, não é uma metáfora, nenhuma figura de linguagem pode feder tanto.

Que lugar é esse?

Sujo, frio e cheio de espinhos

Sem portas, teto e janelas.

Preso entre estacas de ponta cega

Batizado e ungido em água de esgoto

Quanto é o chá?

É pra ti? Já tomou antes?

Não, sempre senti demais

Sempre senti errado

Já tentou a máquina?

A máquina do desamor?

Não funciona mais e era muito lenta.

Preciso tomar o chá e ir pra casa.

Ir pra casa? A velha riu da minha cara.

E toda a feira riu junto, ria que se contorcia

Mas não senti vergonha, não senti mais nada.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s